A Ralph Lauren é a primeira e empresa do varejo de luxo a vender o seus produtos pelo celular. O Mobile commerce, ou M-Commerce como é mais conhecido, é uma tendência que nasceu na Ásia e está chegando a Europa e EUA. No Japão, já se pode adquirir bilhetes de trem pelo celular e comprar produtos em máquina de vendas automática assim como celulares descartáveis. Essa tendência ainda não ganhou força por aqui.

Você encontra mais no site da HSM

É bom ficar antenado.

Anúncios

A ação de Mobile Marketing “O que está acontecendo com a Grazi?” deu o que falar. Muitos comentários e feedbacks positivos elogiando a simplicidade da mecânica e a preocupação com a experiência do usuário. A qualidadade dos vídeos e a sincronicidade com a mensagem de voz ganharam destaque. Praticamente todas as críticas foram positivas.

O que me impressiona, é a quantidade de ações que aconteceram depois. Tivemos pelo menos 4 ações online com mecânica parecida. Algumas realizadas com uma péssima produção, outras que deixaram furo na experiência do usuário. De uma delas, recebi a ligação muito tempo depois, outra nem ligou. A última que me deparei era idêntica a ação da Grazzi. Só trocava a celebridade e o site estava demasiadamente pesado e demorava para carregar.

Nas idas e vindas de palestras, aulas e clientes, alguém me perguntou o que eu achava de tudo isso?

Acho ruim em dois aspectos:

  1. para a marca/cliente produzir a toque de caixa uma ação como estas, correndo grande riscos de provocar uma experiência negativa para o usuário. Maior parte dessas ações me provocou essa experiência.
  2. e pelo desgaste desse recurso que pode ser empregado de forma mais criativa.
Enfim… vamos ver o que vem mais por aí. :-0

A ação “O que está acontecendo com a Grazi?”, criada pela Publicidade Interativa e que tive a oportunidade de participar, foi realmente um sucesso em termos de criação, planejamento e execução. O foco na experiência do usuário foi um dos principais ingredientes que garantiram a excelência da ação.

Quando lançamos dentro da agência e no cliente, foi muito interessante observar a reação de espanto das pessoas que não estavam diretamente envolvidas, mas que sabiam do que se tratava. Era comum escutar nos corredores comentários do tipo: “Nossa, a ligação é feita na hora!”, “Ela fala junto com o vídeo”.

Na segunda semana de campanha, fui em um encontro de amigos que não eram publicitários, quando uma das meninas falou: “Gente, vocês viram a campanha de Imedia? Aquela que a Grazi te liga.” E a campanha  teve seus minutos de fama naquela festa.

E apartir daí foi crescendo ganahndo a atenção, principalmente do usuário e do mercado.

É muito gratificante participar de um projeto com essas características.

Não lembro quando foi a última vez que ouvi não publicitários comentarem, positivamente, sobre uma campanha publicitária.

;D